quinta-feira, 10 de novembro de 2011

A praia, a casa e a sacola

Será que fica muito clichê montar aquelas sequências de segundos, minutos, horas, dias, semanas, meses e anos? Duas décadas e meia acho que já está ótimo. Nós nos casamos quando ninguém nesse mundo imaginaria como a vida seria mais fácil depois do Google. Meu radinho de pilha só tinha sinal de ponta-cabeça, assim como eu. Aí veio você pra me botar de pé.

Aquela foto que carreguei durante todo o serviço militar ainda guardo. Não te mostro porque certamente vai querer rasgar. Cabelo cresto, olhar desajeitado e vontade de ser alguém. O medo de sair escondida de madrugada para se encontrar comigo em frente ao colégio. E o show do Menudos, lembra? Só fui por ti. Nem mullets eu tinha.

Esses 25 anos só me provaram que eu sou verão, você é inverno. O outros, primavera e outono. Como se fossem apenas variações mal sucedidas, tentativas fracassadas de se tornarem aquilo que era - e sempre será, vida - mais importante e grandioso nesse mundo: nós dois.

2 comentários:

Caroline A. S. Carlette disse...

Esses seus textos são tão deliciosos quanto você.

A Poetisa Aprendiz. disse...

Lindíssimo texto. Gostei bastante.